Políticas de Equipaje

Tudo sobre a bagagem

Revise toda a informação geral sobre o transporte de sua bagagem no momento de viajar.

  • Passageiros voando com outras linhas aéreas

    A partir de 1 de abril de 2011 entra em vigor uma nova política para calcular a franquia de bagagem de vôos interlineares (que vinculam a mais de uma linha aérea, incluindo LAN), válida para todas as linhas aéreas membros da IATA (Associação Internacional de Transporte Aéreo).

    Este novo acordo indica que:

    • Se as franquias de ambos operadores são as mesmas, aplica-se a citada regra.
    • Se as franquias são diferentes, aplica-se a regra do operador mais relevante (Most Significante Carrier) por trechos checados. O operador mais relevante está determinado segundo definições entregues pela IATA. Para entender quem é o principal operador, a IATA dividiu o tráfego aéreo em três áreas.
      - Área 1: América do Norte, América do Sul, América Central e Havaí.
      - Área 2: Europa, África, Oriente Médio.
      - Área 3: Ásia e Oceanía.
      Segundo os cruzamentos que as linhas aéreas façam nessas zonas, dependerá quem é o operador mais relevante.
    • O operador mais relevante se rege por:

      -Primeiro operador que cruza de uma área para outra. Ex. A: O operador que cruza da América para a Europa.
      - Primeiro operador que cruza de uma sub-área para outra. Ex. B: O operador que cruza da Europa para a África ou da América do Sul para a América do Norte.
      - Quando se viaja dentro de uma sub-área rege o primeiro operador internacional dessa zona. Ex. C: Em uma viagem de Santiago a Lima será o primeiro transportador internacional.

      Divisão do Tráfego Aéreo segundo a IATA

      División Tráfico Aéreo

    • Se o operador mais relevante não publicou suas tarifas, serão válidas as regras do operador com que se checou no início da viagem.

    Exceções

    • Quando a origem, destino ou ponto mais distante de um bilhete é um lugar dos EE.UU. será aplicada a franquia de bagagem selecionada no início da viagem para toda a rota, sem importar se o bilhete tem escala (stopover).
    • Em casos de vôos com código compartilhado que incluam um ponto nos EE.UU., o operador de maior relevância deverá ser o da linha aérea que vendeu o bilhete.

     

    Voltar