PAL desiste de persistir em sua recusa à fusão entre LAN e TAM

Após analisar a reclamação de LAN ante a Exma. Corte Suprema e confirmar que as objeções de LAN afetam só de forma parcial e adotadas as medidas para mitigá-las, PAL estima que a fusão se ajusta às normas do Decreto Lei N°211 e se salvaguarda de maneira adequada à livre concorrência.
LAN concordou em reembolsar à PAL os gastos e custos incorridos durante o processo de consulta e sua posterior reclamação ante a Exma. Corte Suprema e PAL também acedeu em retirar todas as objeções realizadas contra a fusão, tanto no Chile como no Brasil.
A aprovação do CADE no Brasil é o seguinte passo regulamentar para a conformação do Grupo LATAM.

Santiago, 25 de outubro de 2011–LAN informa que a linha aérea PAL decidiu retirar sua apresentação para a Exma. Corte Suprema de Justiça contra o processo de fusão entre LAN e TAM, já que após analisar em profundidade a sentença do H. Tribunal de Defesa da Livre Concorrência (TDLC) e a reclamação de LAN à Exma. Corte Suprema -apresentada com posterioridade à efetuada por PAL- tem a tranquilidade de que LAN aceita a maioria das medidas e, com respeito às que objeta, ou não são essenciais ou propõe alternativas razoáveis.

A linha aérea PAL se absterá de apresentar qualquer outra objeção no Chile ou no exterior e solicitou à LAN que se encarregue dos custos em que PAL incorreu por ocasião da consulta ante o TDLC e seu recurso de reclamação ante a Exma. Corte Suprema. Conforme o anterior, e com acordo a uma transação extrajudicial celebrada entre ambas companhias com esta data, LAN concordou em pagar a soma de UF 116.091 (UF=Unidades de Fomento).